Centro de Assistência Toxicológica do HU/UEL completa 36 anos

Centro de Assistência Toxicológica do HU/UEL completa 36 anos

Municípios do PR são atendidos com o serviço orientação técnica em casos de intoxicação ou acidentes com animais peçonhentos.

publicado por

Agência UEL


O Centro de Informações e Assistência Toxicológicas (CIATox/Londrina) – (43) 3371-2244 – do Hospital Universitário (HU/UEL), completa nesta segunda-feira (19), 36 anos de atuação cumprindo com excelência seu objetivo de prestar assessoria e orientação técnica em casos de intoxicação, exposição a agentes tóxicos e a acidentes com animais peçonhentos.

A equipe do setor atende profissionais da área da saúde, população em geral, estudantes e profissionais de outras áreas de atuação de praticamente todos os 399 municípios do Paraná, além de outros Estados. Entre as atividades estão prestar informações diretas ou por telefone em casos de exposição ou intoxicação por substâncias químicas ou toxinas de origem vegetal ou animal, além de disseminar conhecimento técnico-científico promovendo uma educação de base e prevenir casos de intoxicação em grupos populacionais expostos a substâncias tóxicas.

Equipe do CIATox Londrina fornece informações e tira dúvidas sobre casos de exposição ou intoxicação por substâncias químicas ou toxinas de origem vegetal ou animal. (FOTO: Pixabay).

O setor também visa esclarecer a comunidade sobre os riscos químicos, proporcionar capacitação de pessoal da área médica no reconhecimento e tratamento de quadros clínicos de intoxicação. Por outro lado, o CIAtox oferece inclusive atendimento clínico-laboratorial do paciente intoxicado e assessorar tecnicamente entidades públicas e privadas frente às ocorrências toxicológicas de pequeno, médio e grande porte.

Segundo o coordenador do CIATox Londrina, professor Camilo Molino Guidoni, do curso de Farmácia (Departamento DCF/CCS), o serviço também serve como um campo de estágio para os alunos dos cursos de graduação em Enfermagem, Farmácia e Medicina da Universidade Estadual de Londrina. “O estágio possibilita ao aluno um exercício prático ao deparar-se com situações nos atendimentos de pacientes intoxicados, onde o senso crítico-reflexivo, a tomada de decisões e a busca de condutas interdisciplinares para a resolução dos problemas são valorizados em circunstâncias reais”, explica.

Além disso, continua “o trabalho cooperativo em equipe multiprofissional, vivenciado pelos alunos tem se mostrado excelente recurso para o estudante reconhecer a importância, não somente da aquisição de competências básicas para sua formação profissional, mas, também no desenvolvimento de atitudes e valores relacionados à ética e à realização pessoal e social”. Já passaram pelo estágio mais de 350 alunos, muito dos quais, hoje, são profissionais da UEL, Instituto Médico legal, Secretaria de Segurança Pública do Estado, entre outros.

Parceiros – O CIATox foi criado pela UEL em convênio com a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA/PR) em 19 de abril de 1985. Possui parceria com a Divisão de Zoonoses e Toxicologia do Centro de Saúde Ambiental da SESA/PR e faz parte da Associação Brasileira de Centros de Informação e Assistência Toxicológica (ABRACIT), sendo subordinado à diretoria Clínica do HU/UEL.

Durante 30 anos, o CIATox foi coordenado pela professora Conceição Aparecida Turini, professora do curso de Farmácia (Departamento PAC/CCS), que aposentou-se em 31 de janeiro de 2014. A partir de fevereiro de 2014, o professor Camilo Molino Guidoni, também do curso de Farmácia (Departamento DCF/CCS), assumiu a coordenação. A servidora Miriam de Cássia Tóffolo é responsável pelos serviços administrativos, atuando no CIATox, desde outubro de 1994.

(Com texto e informações da Assessoria de Imprensa do HU/UEL).

Tags

CCSHU/UEL
pss professor uel
especializaçao pos uel
isenção vestibular uel
PSS-UEL
especializacao-uel-2022
isencao-vestibular-uel-2023
previous arrow
next arrow
Leia também