Projeto de extensão lança documentários sobre educação escolar indígena

Projeto de extensão lança documentários sobre educação escolar indígena

O evento de lançamento terá dois dias de debate sobre a educação escolar indígena.

publicado por

Agência UEL


O projeto de extensão “Entre os saberes da escola indígena e da universidade: a comunicação audiovisual como elemento de expressão, articulação e fortalecimento da organização dos professores indígenas”, ou Nhandereko Eg Kahnró – “nosso jeito”, em Guarani e em Kaingang, lança, nesses dias 29 e 30 de abril, seis documentários produzidos nas ações de extensão realizadas ao longo de 2018 e 2019. O evento de lançamento terá dois dias de debate sobre a educação escolar indígena.

Nesta quinta-feira, após um ritual espiritual indígena, a roda de conversa terá a participação de tres convidados: Alvaro Guaymás, coordenador de Educação Intercultural Bilíngue do Ministério de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia de Salta/Argentina; Bruno Ferreira Kaingang, doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e professor Kaingang; e Rafael Osvaldo Machado Moura, promotor de Justiça que integra o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção aos Direitos Humanos, do Ministério Público do Paraná.

Na sexta-feira, foram convidados representantes da Comissão de Articulação das Escolas Indígenas do Paraná (CADEINP) e do Fórum Paranaense de Educação Escolar Indígena (FPEEI). Além deles, foram convidados menbros da Articulação dos Estudantes Indígenas da UEL (ARTEIN) e da Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED-PR). O evento também conta com a participação do cacique Everton Lourenço, da terra Indígena Laranjinha, representando os caciques das terras indígenas do norte do Paraná.

O projeto teve o apoio do programa Universidade Sem Fronteiras, da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (SETI). A proposta foi desenvolver produções audiovisuais a partir das vivências de professores, lideranças, e gestores indígenas. O foco foi nas escolas indígenas de cinco comunidades da região Norte do Paraná.

Reza no Apucaraninha

Educação indígena em debate

Foram desenvolvidas oficinas que promoveram debates e sínteses sobre a realidade das escolas e também as demandas e aspirações das comunidades. O objetivo foi aprimorar a educação escolar indígena, diferenciada diante de cada contexto. Participaram as comunidades das Terras Indígenas de Pinhalzinho, Laranjinha, Posto Velho, Barão de Antonina e Apucaraninha. Além de cinco vídeos sobre cada uma das comunidades, foi elaborado um documentário geral sobre a temática da educação escolar indígena diferenciada. A educação indígena é um direito constitucional, que ainda tem muitas dificuldades em ser implantado plenamente em todo o Brasil.

O projeto Nhandereko Eg Kahnró foi coordenado pelos professores Wagner Roberto do Amaral, do Departamento de Serviço Social, e Mônica Kaseker, do Departamento de Comunicação da UEL. Ambos os professores são membros da CUIA. As atividades tiveram a participação dos estudantes indígenas Alexandro da Silva (Guarani Nhandeva/Ciências Sociais), Eliane Cordeiro (Kaingang/Letras), Yago Junio Queiroz (Kaingang Fulniô/Jornalismo), a estudante não indígena Gabrielle Iank (Ciências Sociais) e o mestrando em Comunicação Gustavo Minho Nakao. A edição e finalização foram feitas por Eduardo Calliari Schacht mediante diálogo com representantes das comunidades.

Programação

Dia 29/04 – Quinta-feira

19h – Apresentação de teaser dos documentários e em seguida Roda de Conversa “Reflexões sobre a escola indígena que temos e a escola indígena que os povos indígenas no Brasil e na América Latina lutam para construir”

  • Bruno Ferreira Kaingang: doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor Kaingang;
  • Alvaro Guaymás: coordenador de Educação Intercultural Bilíngue do Ministério de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia de Salta/Argentina;
  • Rafael Osvaldo Machado Moura: promotor de Justiça do Ministério Público do Paraná (MPPR) e coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção aos Direitos Humanos do MPPR.

Dia 30/04 – Sexta-feira

19h – Apresentação de teaser dos documentários e em seguida Roda de conversa sobre a Politica de Educação Escolar Indígena e a Escola Indígena que queremos, com representantes das seguintes entidades:

  • Comissão de Articulação das Escolas Indígenas do Paraná (CADEINP)
  • Fórum Paranaense de Educação Escolar Indígena (FPEEI)
  • Articulação dos Estudantes Indígenas da UEL (ARTEIN)
  • Caciques das terras indígenas do norte do Paraná
  • Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED-PR)
Divulgação do vestibular da UEL - 2021
Leia também