Projeto Entretons desenvolve pesquisa sobre gêneros, subjetividade e identidade

Projeto Entretons desenvolve pesquisa sobre gêneros, subjetividade e identidade

Iniciativa promove e atua em diversas frentes, acadêmicas e artísticas, inclusive com alcance internacional.

José de Arimathéia

Agência UEL


Desde 2004, 17 de maio é o Dia Internacional Contra a Homofobia. A data foi escolhida especificamente para comemorar a decisão da Organização Mundial da Saúde em 1990 de desclassificar a homossexualidade como distúrbio mental da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID). Atualmente, a data é assinalada em mais de 130 países.

Na UEL, o projeto de pesquisa e de extensão Entretons: Gênero e modos de subjetivação desenvolve uma série de ações orientadas para analisar desdobramentos das noções de gênero nos modos de subjetivação, promovendo uma crítica às noções tradicionais de identidade, subjetividade e sexualidade e entendendo que as construções de gênero nos modos de subjetivação se articulam a partir de perspectivas plurais. Os estudos tanto se baseiam na pesquisa documental de bases de dados quanto em revistas científicas de gênero. Como extensão, promove e atua em diversas iniciativas, acadêmicas e artísticas, muitas com alcance internacional.

Intervenção no Centro de Londrina celebra dia Dia Internacional Contra a Homofobia – 17 de maio. (FOTO: Divulgação/Entretons).

O Entretons existe desde 2020, mas é sequência de outros projetos semelhantes. Atualmente, abrange três projetos, de três centros de estudos distintos, coordenados pelos professores Flavia Fernandes de Carvalhaes, Departamento de Psicologia Social e Institucional, Centro de Ciências Biológicas (CCB), Régis Moreira, Departamento de Comunicação, do Centro de Educação, Comunicação e Artes (CECA) e Marta Ramírez-Gálvez, Departamento de Ciências Sociais, do Centro de Letras e Ciências Humanas (CCH).

Segundo Régis, o projeto tem produzido muito material, conseguido expressiva participação e alcançado excelentes resultados. Exemplo é o programa “É babado, Kyrida”, veiculado na Rádio Alma. Outro são os cinco documentários individuais que geraram um sexto, o “Meu amor, Londrina é trans e travesti” – CONFIRA – que mostra como se formou a militância trans e travesti em Londrina.

Para o professor, o documentário tem grande importância, pois cria um registro e dá visibilidade a um movimento ignorado. Graças ao projeto, muitos trans e travestis participam de atividades, fazendo apresentações teatrais, palestras e debates, além de campanhas de arrecadação de cestas básicas, durante o período da pandemia.

O próximo evento, segundo Régis, será no próximo dia 27 de maio, das 19 às 21 horas, com a live “Corpos importam”.

Parcerias – A professora Flavia Carvalhaes também destaca algumas ações, várias com parcerias interinstitucionais ou intersetoriais. Um exemplo é a organização de uma curso de formação para abordar questões de gênero voltado para a rede de serviços de saúde e assistência social do município. É uma ideia que está sendo desenvolvida em conjunto com a Secretaria Municipal da Mulher. Já com a equipe do Serviço de Bem Estar à Comunidade da UEL (SEBEC), têm sido promovidas lives e rodas de conversa.

Outra instituição parceira nas discussões é a ALIA (Associação Londrinense Interdisciplinar de AIDS). Flavia destaca ainda a criação, ainda em andamento, de um Observatório contra o feminicídio em Londrina, acompanhando os processos judiciais. Esta ação deve envolver diversas instâncias e instituições. A professora lembra também que o projeto reúne estudantes de diferentes cursos e até participantes de fora da UEL.

Bandeira trans

Para marcar o 17 de maio, uma intervenção artística foi realizada em Londrina, no cruzamento das ruas Benjamim Constant e da Avenida Rio de Janeiro, próximo à Praça Rocha Pombo, no Centro da cidade. Uma pintura, com as cores da bandeira do orgulho Trans, foi pintada na madrugada desta segunda-feira (17).

O ato simbólico foi organizado pela Rede LGBT Ubuntu, que nasceu durante a pandemia com objetivo de ajudar pessoas LGBTIA+ vulnerabilizadas socialmente; em parceria com o Coletivo ELityTrans e com a Frente Trans de Londrina. O objetivo é dar visibilidade positiva a esta população.  Na praça escolhida para o ato, em 2019, um jovem foi assassinado, uma semana após o assassinato de outro, ocorrido no Bosque.

A esquina da intervenção reivindica também a memória desta população como produtores de memória e contribuições históricas na cidade, e por esse motivo a intervenção aconteceu próximo ao Museu Histórico da Cidade. Além disso, a Praça Rocha Pombo foi, durante muitos anos, local de trabalho da população travesti e trans.

pss professor uel
especializaçao pos uel
isenção vestibular uel
PSS-UEL
especializacao-uel-2022
isencao-vestibular-uel-2023
previous arrow
next arrow
Leia também