Professora da UEL lança livro sobre o artista Eliseu D’Angelo Visconti

Professora da UEL lança livro sobre o artista Eliseu D’Angelo Visconti

A obra intitulada “A arte de Eliseu Visconti e a Modernidade na Primeira República” é uma publicação da EDUEL.

Um artista considerado moderno, que viveu a transição entre o Brasil Império e o Brasil República, retratando o projeto de civilização e de modernidade para o país. Menos citado entre os principais artistas, como os da Semana de Arte Moderna, em 1922, Eliseu D’Angelo Visconti (1866-1944) é tema do livro da professora Ana Heloisa Molina, do Departamento de História, do Centro de Letras e Ciências Humanas (CCH).

A obra “A arte de Eliseu Visconti e a Modernidade na Primeira República” (EDUEL, 468 páginas, 2022), aborda o contexto histórico do país e a influência do artista ítalo-brasileiro “que sai do rótulo restrito de impressionista e propõe outras leituras sobre a modernidade”. Segundo a professora, Eliseu Visconti tem obras variadas, desde quadros, até projetos para outros suportes como madeira, tecido e cerâmica. Apesar de ser referenciado como pintor impressionista, ele extrapola a definição, incluindo elementos como os da Art Nouveau em suas produções.

Uma das obras mais conhecidas do artista é a cortina, também chamada de pano de boca, do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A obra de 12 metros de altura por 13 metros de largura, retrata um cortejo indo em direção às alegorias Verdade e Arte. É possível identificar artistas de diversos períodos, personagens populares, pessoas negras e até mesmo Dom Pedro II – tudo isso para responder ao tema encomendado ao pintor: a influência das artes para a civilização.

Professora do Departamento de História, Ana Heloísa Molina, explica que obra é resultado de tese defendida na UFPR.

Com quatro capítulos, livro apresenta aos leitores Eliseu D’Angelo Visconti

A obra é resultado da tese de doutorado de Ana Heloísa Molina, defendida em 2004, na Universidade Federal do Paraná (UFPR), intitulada “A influência das artes na civilização: Eliseu D’Angelo Visconti e a modernidade na Primeira República”. Adaptado para leitura do público em geral, o livro desperta a curiosidade para este período da história do país, e ainda convida o público das artes visuais, historiadores, urbanistas, geógrafos e arquitetos para conhecerem o artista. “Espero que possibilite outras pesquisas e outros olhares para a história do Brasil”, afirma.

Com quatro capítulos, o livro é dividido da seguinte forma: o primeiro situa a época vivida no país; o segundo aborda o pano de boca, a cidade e as transformações sociais e culturais; o terceiro, a Art Nouveau. Já o quarto e último capítulo traz as alegorias encomendadas pela Biblioteca Nacional e os quadros “Instrução ou Solidariedade Humana” e “Progresso”.

O esboço do quadro “Instrução ou Solidariedade Humana” é o que ilustra a capa do livro. Segundo Ana Heloisa, essa capa e todas as imagens só foram possíveis serem utilizadas por causa da colaboração de Tobias Visconti, neto de Eliseu Visconti, que também fez a apresentação da contracapa do livro, e ainda do empenho da equipe da Editora da UEL (EDUEL) pela diagramação e cuidado com as ilustrações.

Capa do lançamento que tem o total de 468 páginas.

Lançamento – O livro “A arte de Eliseu Visconti e a Modernidade na Primeira República” será oficialmente lançado dia 6 de maio, a partir das 18 horas, na Réplica da primeira Igreja Matriz de Londrina, no Campus Universitário. A obra já pode ser adquirida, nos formatos físico e digital, diretamente no site da Eduel.

banner mestrado
banner-03
previous arrow
next arrow
Leia também